RSS Feed

INTERDIT

Posted by Eduardo Gomes



O Proibido sempre foi atraente. Mesmo quando pequeno, tinha um discurso encantador, palavras soavam a espera de um momento de distração para lhe convencer. Ao correr do tempo, ele muda, mas sempre está lá, em algum lugar escondido, irrequieto, pronto para ser desvendado.
Aprendi a olhar o Proibido pela janela todos os dias. Confesso: era meu vício perceber suas promessas a uma distância segura. Eu nunca te convidei para entrar, mas você encontrou a porta entre aberta e levianamente deixou-se ficar.
Não tive forças para te expulsar, será que eu queria te tirar dali? Sentamos no sofá, meus olhos fixavam o assoalho de madeira, o receio de descobrir a cor dos seus olhos me eriçava a pele.
Mordi os lábios para evitar a fuga de palavras que me arrancaria a máscara. Comecei a perceber que o Proibido também era impaciente ao passo que se aproximava. Ele agora exigia pressa, bateu na mesa e expôs desejos pelo tapete.
Ele nunca esteve tão perto. Não podia mais colocá-lo de volta a vista da janela. Querer-te não era mais uma questão de controle, era necessidade. Roubei-lhe para meus braços e nunca me senti tão vulneravelmente completo.

          Na manhã seguinte, você ainda estava perto, não me prendia mais. Dei alguns passos amargos em direção à janela e novamente a vista tornara-se atraente.

4 comentários:

  1. samylla

    MUITO BOM, SEMPRE O PROIBIDO NOS CHAMA MAIS ATENÇÃO, TALVEZ PELO FATO DE PESARMOS OH É PROIBIDO, SEMPRE NOS DÁ AQUELA PONTINHA DE CURIOSIDADE E DE VONTADE, REALMENTE TUDO PROIBIDO É MAIS ATRAENTE, ADOREI

  1. Jude Araujo

    100 comentários! [2]

  1. Amanda

    Uau, vc escreve muito bem... Que texto envolvente! Amei... Parabéns!

  1. Aninha

    Amei , amei , ameii *--*

Postar um comentário