RSS Feed

CLAQUE!

Posted by Eduardo Gomes



Coloquei as minhas pernas na rua, sentei na calçada e deixei que muitas outras passassem. Quase precisei erguer a cabeça para saber onde terminavam certas pernas. Outras eram contempladas apenas com um golpe de vista de tão curtas. As apressadas quase atropelavam as que vinham com passos de turista.
Depois de catalogar tantos pares, avistei a Mentira aproximando-se rapidamente como sempre faz. Suas pernas eram realmente curtas, no entanto, também eram as mais belas que já vira. De salto alto, uma saia (ou cinto) curtíssima(o), cruzou em minha frente e passou tão perto que poderia tocar.
Os seus pequenos passos percorrem grandes distâncias. O estardalhaço de sua passagem ecoa silenciosamente entre boca e ouvidos durante anos e deixam o rastro de falsidade em suas pegadas.
O cruzar de tuas pernas não nos permite enxergar os ratos que ficam no seu encalço. De vez em quando é preciso que a Verdade nos dê um tapa estalado na cara para prestar atenção na máscara que esconde o rosto.

5 comentários:

  1. Jude Araujo

    De fato determinadas pernas nos fazem cair, e haja pernas pra levantar depois!
    Preciso dizer que gostei?
    Beijos, Dudu =)

  1. sorana

    ... e no final a mentira disse "pernas, pra que te quero!"
    estou te seguindo!
    www.bolachachocha.blogspot.com

  1. Martha Malaquias

    Velho, gostei mt, vc trabalhou mt bem um dito popular e conseguiu passar de forma legal, e poética as sensações que dizeres falsos ocasionam.

  1. Leila Oliveira

    Gostei bastante do que li. As pernas da mentira são assim, curtas, porém dão fortes rasteiras. Mas, a verdade sempre chega para nos levantar. Abraço, Dudu.

  1. Maria Akemi

    Preciso falar que gostei, Dudu? :)
    Adoro tudo que você escreve aqui.
    Parabéns, meu amigo!

Postar um comentário